quarta-feira, agosto 24, 2011

eu aqui a rir

onde me conheço, onde me deixo pender para a terra. Nesse movimento tudo se converte numa estranha letargia, onde nada se passa e tudo circula com a maior pretensão de intensidade.

Sem comentários: