quarta-feira, outubro 05, 2011

pactos de silêncio

Havia sempre uma zona de sombra, um mistério recorrente sobre a sua vida. Cheguei a aspirar entender esses momentos de apagamento e ausência, e depois um súbito ressurgir na normalidade como se nada fosse, como se não tivesse estado cinco dias desaparecido no mais profundo círculo do inferno onde tudo fora penoso. Retornava à vida com a mesma naturalidade com que sumira, e ninguém lhe perguntava absolutamente nada. Já havia conquistado esse grau de comiseração.

Sem comentários: